ESSENCIALIDADE DOS MINERAIS // ARTIGOS

Innophos Fully React Chelated Minerals

Innophos é uma empresa americana, que desde 1902 desenvolve e produz nutrientes biodisponíveis, proporcionando aos consumidores saúde, baseada no conceito longevidade com qualidade de vida!

Em 2011, a Innophos tornou-se o mais importante fabricante de minerais quelatos mantendo constante atualização e padronização dos processos de fabricação objetivando garantir a qualidade e eficácia dos seus  produtos.

Incorporou à tradicional linha de fosfatos, os minerais quelatos “fully reacted” além de compostos minerais orgânicos e outros nutrientes desenvolvidos e fabricados em suas diversas plantas .

Oferece aos clientes uma grande variedade de nutrientes para a Industria farmacêutica, de suplementos alimentares, farmácias de manipulação  e nutrição esportiva.

A Innophos é líder em:

  • Qualidade ;
  • Inovação;
  •  Fabricação de minerais quelatos totalmente reagidos e quelatos puros.
  • Produção de fosfatos ;
  • Comprovação de quelação;
  • Produtos com alta biodisponibilidade ;
  • Vendas de minerais dos Estados Unidos e Europa;
  • + de 100 anos de experiência.

Importância dos Minerais Aminoácidos Quelatos

OS MINERAIS AMINOÁCIDOS QUELATOS

Minerais Aminoácidos Quelatos são, por definição, formados quando duas ou mais porções separadas e únicas de uma molécula de aminoácido formam uma ligação coordenada covalente e iônica com um íon metálico, formando uma estrutura anelar heterocíclica.

Absorção

Os Minerais Aminoácidos Quelatos são absorvidos no jejuno por um mecanismo de transporte ativo, como dipeptídeos estáveis. O fato de não serem hidrolisados no trato gastrointestinal determina que não sofram em sua absorção, as interferências comuns aos sais. Isto determina que os Minerais Aminoácidos Quelatos sejam absorvidos em alta proporção.
O fato de estarem ligados a aminoácidos, determina ao contrário do que ocorre com os sais minerais, que o índice de efeitos colaterais seja zero, mesmo em doses terapêuticas.

Biodisponibilidade

Biodisponibilidade é a quantidade do mineral que é ingerida, absorvida, transferida para seu sítio de ação e transformada na sua forma fisiologicamente ativa.
É importante que o mineral seja não somente ingerido, mas também absorvido em quantidades adequadas para que possa realizar suas funções metabólicas.
A biodisponibilidade, a estrutura química e as recomendações dietéticas são fundamentais para a escolha de um suplemento mineral.

Vantagens dos Minerais Aminoácidos Quelatos

  • São compostos de alta absorção;
  • São isentos de efeitos colaterais;
  • Independem da quantidade de ácido clorídrico para sua absorção;
  • São resistentes às substâncias sequestradoras da dieta;
  • Não competem entre si ou com os minerais da alimentação pelos sítios de absorção;
  • Não interagem com medicamentos.

Figura 1: Estrutura de um mineral aminoácido quelato.


Mineral ligado a duas moléculas de glicina

Os Minerais Aminoácidos Quelatos representam uma revolução no conceito de suplementação mineral.

Antes do aparecimento dos Minerais Aminoácidos Quelatos, os compostos disponíveis eram, em sua maioria, subprodutos da indústria química, tais como sulfato ferroso, cloreto de cálcio e sulfato de magnésio. Os Minerais Aminoácidos Quelatos foram desenvolvidos para nutrição humana. São orgânicos, seguros e bem tolerados, como os minerais encontrados na alimentação.

Sendo assim, uma enorme gama de aplicações antes impossíveis foi estabelecida, como o tratamento de anemia sem efeitos colaterais, em menor tempo e com menores doses, ou a suplementação de magnésio por via oral sem diarréia ou outros sintomas molestos.

Importância da Nutrição Mineral

Os minerais são nutrientes essenciais presentes em quase todo o metabolismo:

  • Crescimento e manutenção dos tecidos;
  • Produção de energia;
  • Regulação dos processos orgânicos.
  •  Aumento da imunidade

Os minerais essenciais têm sua função intimamente relacionada com o metabolismo das enzimas. Considera-se que 30% das reações têm a participação de um ou mais minerais.

Fatores que interferem na possibilidade de uma nutrição mineral adequada

  • Deficiência do solo

Sabemos que há uma diminuição significativa de minerais em alimentos vegetais decorrente da exaustão do solo. Estudos mostram que, em um período de 4 anos, houve uma diminuição do conteúdo no milho em uma mesma plantação nos EUA na ordem de 8-62%, dependendo do mineral. Contribui para o quadro acima o uso de adubos que leva em conta apenas as necessidades das plantas, não considerando as necessidades humanas.

  • Refino de alimentos

O refino de alimentos determina uma perda considerável de nutrientes minerais, por exemplo:

  • Arroz branco: perda de 75% do conteúdo de cromo e zinco e 26 a 45% no conteúdo de manganês, cobalto e cobre.
  • Açúcar refinado: são reduzidas as concentrações de manganês, cobre, zinco e molibdênio.
  • Farinha de trigo: pela importância que tem como alimento básico em quase todos os países, estas perdas são importantes, como ilustra a tabela abaixo.
  • Diminuição de produção de ácido clorídrico

A produção de ácido clorídrico no estômago é decisiva na preparação do alimento para absorção de seus componentes nutricionais. A partir dos 35-40 anos, há uma diminuição natural de sua produção no organismo. Este fato determina um prejuízo tanto na ativação de sistemas enzimáticos, como na hidrólise de proteínas e na ionização dos complexos metálicos. Este é um dos fatores determinantes do aumento da prevalência mineral nos indivíduos adultos acima dos 40 anos.

  • Sequestro dos minerais por outros componentes da dieta

Existem nos alimentos várias substâncias que durante o processo digestivo, reagem com os minerais, impedindo sua absorção. Estas substâncias são chamadas de sequestradoras. As mais comuns são:

  • Fitatos: encontrados nos cereais e sementes.
  • Fibras: encontrados nos cereais, leguminosas, frutas.
  • Ácido oxálico: encontrado nos vegetais.
  • Taninos: encontrados principalmente no café, chá e chocolates, além de vegetais.
  • Competição entre os minerais pela absorção

Mesmo estando disponíveis para absorção, os minerais competem entre si pelos sítios de absorção na membrana mucosa. A competição entre cálcio e o magnésio ou entre o zinco e o cobre, entre outros, é por vezes determinante de deficiências importantes. Por exemplo, pequenas quantidades de leite, da ordem de 50 mil, inibem a absorção do ferro do sulfato ferros em até 90%.
 

Figura 2: Rota de interação entre os minerais.


Fonte: King & Keen, 2003

  • Presença de minerais tóxicos no ambiente e na dieta

Minerais tóxicos, como chumbo, cádmio, alumínio e outros, tendem não só a competir pelos sítios de absorção, mas também, depois de absorvidos, tendem a ocupar os sítios metabólicos das enzimas, comprometendo a função dos metais essenciais nestes sítios.
É conhecido o efeito do cádmio e sua relação agravante nas deficiências de zinco. O cádmio liga-se fortemente com a enzima metalotionina, que é dependente de zinco, prejudicando desta forma sua possível ação como varredora de radicais livres. Substitui também o zinco na molécula de superóxido dismutase, prejudicando sua função.

  • Perdas excessivas de minerais

As perdas excessivas ocorrem em várias circunstâncias, tanto pelo aumento da eliminação de líquidos orgânicos, através da transpiração, diarréia ou mesmo sangramento, como ocorre no stress com relação ao magnésio e ao zinco.
O aumento do consumo metabólico é também um fatos de deficiência. Exemplo: consumo de cobre e zinco nos processos inflamatórios, onde há uso desses minerais através de enzima antioxidante superóxido dismutase.
Um fator adicional importante na deficiência são as perdas de magnésio, zinco, e potássio após o consumo de álcool. Estas perdas são responsáveis tanto pelos efeitos a curto prazo, observados na “ressaca”, quanto pelos efeitos a longo prazo, como ocorre nos alcoólatras crônicos.

  • Uso de medicamentos ou drogas que inibem a absorção de minerais

Os mais comuns:

  • Antiácidos: inibem a absorção dos minerais através da neutralização do ácido clorídrico e por competição, já que estes compostos são, em parte, à base de sais de magnésio ou alumínio. Antiácidos contendo carbonato de cálcio podem reduzir a absorção de cromo; aqueles à base de hidróxido de alumínio reduzem a absorção de cálcio, ferro e fósforo.
  • Diuréticos e Hipotensores: eliminam potássio e magnésio, sendo que sua reposição nem sempre é valorizada, gerando deficiências importantes.
  • Laxantes: o aumento da motilidade intestinal e o aumento da perda de líquidos incrementam a eliminação de minerais, como potássio.
  • Anticoncepcionais: diminuem os níveis  séricos de ferro e zinco.
  • Tabaco: demonstrou-se que os fumantes possuem baixos níveis de zinco. A suplementação deste mineral reduz o risco de aterosclerose. Vários estudos mostram que os fumantes têm 50% mais chances de desenvolver impotência sexual. Este fato pode estar relacionado com a carência de zinco, que está diretamente envolvido com a carência de zinco, que está diretamente envolvido na síntese de liberação de hormônios gonadotróficos.

A deficiência Mineral na População

O quadro de prevalência de deficiências minerais é alarmante. Estas deficiências constituem as doenças nutricionais mais abrangentes em toda população mundial e servem de base para o agravamento de um grande número de enfermidades.

Temos como exemplo o ferro, cuja deficiência atinge três quartos da humanidade, gerando um contingente de anêmicos demais de um bilhão de pessoas.

Tabela 2: Proporção de ingestão de minerais pela população.

Porcentagem da população que não ingere a quantidade de minerais recomendada pelo RDA

Cálcio

58%

Magnésio

75%

Ferro

54%

Zinco

40%

Manganês

50%


Definição NNFA de Minerais Aminoácidos Quelatos

Metal Aminoácido Quelato é um produto resultante da reação de um íon metálico de um sal solúvel com aminoácidos, em proporção molar de um mol de metal para um a três (preferencia dois) moles de aminoácidos para formar ligações coordenadas covalentes.

O peso molecular médio do aminoácido hidrolisado deve estar em torno de 150 AMU (unidade de massa atômica) e o quelato resultante não deve exceder 800 AMU. O conteúdo mínimo do metal elementar deve ser declarado. Ele será declarado como um metal Aminoácido Quelato, por exemplo, Ferro Aminoácido Quelato.

Fonte:

NNFA Board of Directors, Julho 1996.
NNFA Today, pg 15, Agpsto 1996.